Home / Casos de Sucesso /

Quais são os melhores canais de venda não presencial?

Quais são os melhores canais de venda não presencial?

Não existe uma resposta concreta à pergunta do título deste post. Saber qual é o canal mais eficiente para cada negócio diz respeito à relação entre o objetivo da empresa e o entendimento do público, além do conhecimento dos canais de venda que funcionam hoje em dia. É impossível dizer qual é o melhor e qual vai funcionar para qualquer tipo de negócio, pois cada empresa tem as suas particularidades e necessidades específicas.

Contudo, neste artigo apontamos uma grande variedade de canais de venda não presencial que qualquer empresa pode utilizar, de modo a rentabilizar a sua presença no mercado e gerar negócios de sucesso. Confira agora!

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – TELEMARKETING

O telemarketing é um canal de vendas baseado em ligações telefónicas. As empresas utilizam-no para entrar em contato com potenciais clientes e comercializar produtos e serviços. O objetivo pode ser tanto vender ou agendar uma conversa pessoal ou ainda manter relacionamento com clientes.

Tem como vantagem ser uma forma de contato direto e personalizado com leads. Por outro lado, quando utilizado de maneira equívoca, torna-se algo muito chato para as pessoas. Pode contribuir para a queda da reputação da empresa e perda da confiança de clientes.

Para ter um telemarketing de sucesso é essencial que a equipa comercial entenda muito bem do negócio, do público-alvo e que a estratégia esteja bem definida.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – MARKETPLACE

Fnac, Amazon, Americanas, Mercado Livre, Submarino e Walmart.com são alguns exemplos de marketplace que nada mais são do que  portais que abrigam várias lojas virtuais onde os clientes podem comprar diversos produtos de vendedores diferentes num único carrinho.

Produtos que oferecem uma boa experiência ao consumidor, com boas fotos, avaliações, preço competitivo, com possibilidade de pagamento a prestações são alguns fatores que podem destacar o produto de determinada marca da concorrência.

Normalmente, as empresas que têm um site de marketplace cobram aos anunciantes uma comissão, que varia de acordo com o investimento feito pela empresa cadastrada. Quanto maior a visibilidade, maior a comissão que a empresa terá que pagar à empresa detentora do marketplace.

Caso uma empresa deseje utilizar o marketplace como canal de venda, as vantagens são muitas.

A primeira grande delas é a visibilidade, uma vez que muitos consumidores optam pelos marketplaces, pois podem visualizar vários produtos de uma só vez – o que permite escalar as vendas.

Além disso, seja o negócio grande ou pequeno, estar num marketplace conhecido, que já possui reputação no mercado digital, favorece qualquer negócio, que assim será visto com credibilidade e confiabilidade aos olhos do consumidor.

Outra vantagem é que você não tem que se preocupar com outras burocracias, senão com o processo de cadastro e atividades estratégicas de seu empreendimento. Isso porque o marketplace proporciona o intermédio de pagamentos e se encarrega de questões técnicas.

Porém, vale apena realçar que cada empresa precisa de estar preparada para atender às normas dos marketplaces e às encomendas geradas.

Naturalmente, a responsabilidade pela garantia e entrega do produto é da empresa e não do marketplace.

Outro factor que pode ser negativo é que a empresa pode ficar dependente de uma empresa terceira, e pode ter dificuldade em criar uma marca forte, já que estará vinculada a uma marca maior, a do marketplace.

Por último, deve-se estar muito atento à concorrência, que pode ser muito direta por estar no mesmo site, obrigando a esforços suplementares para se diferenciar e atrair os clientes.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – E-COMMERCE

Diferente do marketplace, o comércio electrónico corresponde a uma loja online que vende produtos de uma única empresa. Os e-commerces são canais de venda com grande potencial de crescimento e já refletem o sucesso de muitos empreendedores.

Ter um e-commerce permite que a empresa ou empresário tenha liberdade devido à personalização do site, formas de pagamento, exibição de produtos e manutenção da divulgação.

Assim como em outros canais de venda, a preocupação com a diferenciação deve ser levada em conta para quem deseja ter um e-commerce de sucesso. Estudar bem o mercado, saber criar estratégias e aplicá-las são partes fundamentais.

Caso de Sucesso 5 Lojas Virtuais no Brasil

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – TRÁFEGO ORGÂNICO

O tráfego orgânico é, possivelmente, a estratégia de aquisição de clientes que mais tempo demora para caminhar sozinha, mas também é uma das mais perenes, consistentes e eficazes.

Ela consiste em colocar páginas de uma empresa bem colocadas nos motores de busca, de modo a serem encontradas por um utilizador quando ele pesquisa por determinado termo na Internet usando o Google, Bing ou Yahoo, por exemplo.

É possível trabalhar este tipo de tráfego com a produção de conteúdo, de preferência numa blog e no próprio site, que esteja bem estruturado para SEO. Outro fator importante é planear bem as palavras-chaves para adequá-las às suas personas e aos diferentes momentos da jornada de compra.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – E-MAIL MARKETING

De facto, o e-mail marketing tem a capacidade de obter resultados a curto prazo porque são ações para pessoas que já demonstraram interesse em algo que a empresa ou marca tem a dizer ou vende. Além disso, o custo de colocá-lo em prática é bastante baixo.

Para que as estratégias de e-mail marketing sejam bem-sucedidas e possam ser consideradas bons canais de vendas das empresas é importante pensar em 2 aspectos essenciais:

Segmentação

Automação

A SEGMENTAÇÃO está relacionada com critérios que diferenciam os leads.

Pode ser geográfico, por idade, por tipo de dor, por poder aquisitivo, por género etc. Desta maneira é possível enviar a mensagem mais personalizada possível e, consequentemente, com maior hipóteses de gerar resultados.

Já a AUTOMAÇÃO trabalha diretamente a progressão dos leads na jornada de compra. Por norma, ninguém está apto para comprar no primeiro momento em que entram em contato com uma empresa. Habitualmente, o público-alvo precisa de mais informações ou de um incentivo extra para ficar mais próximo da compra. Nutrir o público-alvo com bom conteúdo numa sequência de e-mails é fundamental para qualquer empresa que aposte em e-mail marketing.

Conforme já vimos, o e-mail marketing é uma forma de personalizar melhor a mensagem que as empresas querem passar ao público.

Para que este canal seja efetivo é necessário que obter um bom número de leads que vão receber os e-mails. As listas devem ser segmentadas de acordo com os reais interesses dos utilizadores, de preferência utilizando uma Isca Digital que explore uma dor pertinente para a jornada de compra do público-alvo.

Através dos e-mails é possível comunicar as vantagens dos produtos e serviços, oferecer descontos exclusivos e ainda avisar a base de dados sobre novidades no catálogo de produtos.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – PUBLICIDADE PAGA

Campanhas de publicidade paga possuem a capacidade de obter  resultados a curto prazo. Sobretudo aquelas que incidem em pessoas que estão num momento mais próximo da compra (como no caso do Google Shopping). No entanto, exige investimentos constantes – o que pode ser insustentável para empresas com orçamentos mais curtos. Os tipos mais comuns são:

Google Adwords

Facebook Ads & Instagram Ads

LinkedIn Ads

Twitter Ads

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – GOOGLE ADWORDS

O Google Adwords é canal muito famoso no meio digital, além de ser bastante eficiente para quem anuncia através dele seguindo as recomendações necessárias.

Isto porque a Google é a maior empresa de serviços online do mundo. Ela proporciona que os anunciantes atinjam o público ideal e que os utilizadores sejam influenciados apenas por anúncios que são relevantes para o que eles procuram.

O Google Adwords não é somente um canal para quem quer vender produtos. Cada empresa pode e deve utilizá-lo para gerar tráfego para o seu site e fazer a sua marca ser conhecida.

O canal de publicidade online do Google pode ser dividido em 3:

E-Book Empreendedores Digitais
 

Rede de pesquisa: anúncios que ficam logo acima da busca orgânica numa página de resultados. Eles aparecem quando o utilizador procura uma palavra-chave relacionado com o anúncio.

Rede de display: anúncios em banners ou peças gráficas que são veiculados em sites e blogs parceiros do Google. Um dos maiores exemplos é o YouTube.

Shopping: funciona como um marketplace. Já mostra para o utilizador os próprios produtos quando é feita uma pesquisa no campo de pesquisa Google.

Algumas das muitas vantagens de utilizar o Google Adwords como canal de vendas são:

Segmentação de público-alvo: o Google Adwords fornece várias opções de segmentação avançadas, como termos de busca, local, interesses, idade, etc.

Relevância: cada anúncio só será exibido para clientes potenciais, ou seja, quem já busca pelo que a empresa oferece ou aceda a conteúdo relacionado. Isto faz com que as chances de venda sejam muito maiores em relação a quem visualiza produtos de maneira direta.

Custo-benefício: se forem bem planeadas, as campanhas geram resultados muito positivos, com um investimento bem mais baixo do que seria necessário em canais tradicionais.

Mais vantagens de utilizar o Google Adwords como canal de vendas são:

Pagamento por cliques: o custo do anúncio será sempre correspondente aos cliques realmente realizados pelos utilizadores, e não pela simples visualização de impressões nos resultados de pesquisa.

Cálculo do ROI: permite saber qual foi o retorno do investimento a partir da análise das pessoas que interagiram com o anúncio e compraram os produtos ou converteram em relação aos objectivos delineados pela empresa.

Controlo de orçamento: o Adwords permite o ajuste do orçamento sempre que quiser/precisar e também não cobra taxas de cancelamento da campanha (que pode ser cancelada em qualquer momento).

Pontos negativos do Google Adwords?

A concorrência – devido à grande quantidade de campanhas que são feitas no Google, pode ser difícil vencer outras empresas com mais orçamento.

Outro ponto negativo é que, na estratégia de custo por clique (CPC), por exemplo, pode acontecer que os utilizadores cliquem no anúncio, visitem o site, mas não realizem a compra.

Por isso é muito importante seguir as recomendações do Google, pois ajudam a ter sucesso com as vendas através deste meio.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – FACEBOOK & INSTAGRAM ADS

Esta é a rede poderosa de publicidade do Facebook, que permite também atuar no Instagram. Apesar de encontrar pessoas em momentos de compra não tão favoráveis (afinal, não é o primeiro pensamento dos utilizadores ao navegarem na timeline da rede social) esta é a rede que permite mais e melhores segmentações de público-alvo.

O nível de precisão oferecido pelo Facebook e Instagram é inigualável!

Além disso, os preços praticados são mais baixos do que em outras publicidades pagas.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – LINKEDIN & TWITTER ADS

LinkedIn Ads

Esta rede social é mais voltada para o mundo corporativo e, por isso, é muito interessante para ser trabalhada por empresas B2B. O interessante é que permite segmentar as campanhas por geografia ou pelo cargo da pessoa.

Twitter Ads

Permite também a promoção de posts, hashtags ou de perfis. É um bom canal para empresas que trabalham com alto volume de conteúdo ou informações. Por exemplo, empresas públicas, redes de notícias ou redes de entretenimento, mas também para PME’s que tenham blog e conteúdos de imagem e vídeo com estratégia digital.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – BRINDES PUBLICITÁRIOS

A verdade é que enquanto consumidores muitas vezes não entendemos a importância dos brindes publicitários. Contudo, a verdade é que se os brindes publicitários são uma das estratégias mais utilizadas pelas marcas é porque existem de facto provas que atestam a sua validade. O setor dos brindes personalizados para empresas continua a ser muito relevante e não é por acaso que empresas como a Gift Campaign, recém chegada a Portugal, prosperam neste sector.

Além de promoverem a identidade das empresas, os brindes publicitários são utilizados pelos profissionais de marketing como uma oferta gratuita para o consumidor que visa aumentar o reconhecimento da marca. O ideal é que seja algo que acompanhe o consumidor por algum tempo e seja útil. Por isso mesmo é muito comum a entrega de canetas com o logótipo de uma marca.

Uma investigação realizada no Reino Unido estudou a importância dos brindes publicitários no mundo actual e chegou a resultados interessantes sobre a maneira dos consumidores encararem este tipo de promoção.

A principal questão para a qual os investigadores procuravam respostas era simples: qual é a verdadeira razão para uma empresa usar brindes publicitários para se promover? O estudo concluiu que 92% das pessoas que participaram na investigação confirmam que este tipo de produtos promocionais aumenta o reconhecimento da marca.

Cerca de 76% dos inquiridos disse que podem enunciar o nome de uma marca/empresa/organização anunciada através de um brinde publicitário, sem necessidade de confirmar o nome no brinde. Por sua vez, 52% afirmaram já ter comprado em determinada empresa cujo logótipo estava impresso num brinde publicitário.

As 3 principais razões para as quais os inquiridos guardam os seus brindes publicitários são: Utilidade, Recordação e Valor do artigo. Se verificarmos ainda que 82% atestam que preferem ficar com o brinde publicitário que lhes foi oferecido do que dá-lo a alguém, então a conclusão é fácil: os brindes publicitários funcionam muito bem como canal de venda não presencial!

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – RECOMENDAÇÕES

As Recomendações são um canal de vendas prático que exige pouca infraestrutura e planeamento, além de apresentarem um custo de aquisição de clientes (CAC) relativamente baixo.

Segundo o Panorama das Agências Digitais 2017, as vendas por recomendações de clientes estão em primeiro lugar com 73,3% e em segundo lugar estão as indicações de parceiros.

Entretanto, basear apenas as vendas por recomendações como fonte principal pode ser um erro, pois embora seja um canal prático também pode ser instável.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – PARCERIAS

Concretizar parcerias bem consolidadas com empresas que oferecem serviços complementares pode ser uma fonte de novos negócios. Modelos de co-marketing que trabalham na geração de oportunidades funcionam bem com empresas que trabalham com públicos semelhantes, mas não são concorrentes.

Oferecer pacotes unificados com os serviços de uma empresa e sistemas de outra, por exemplo, também pode ser uma solução rentável e geradora de novos clientes.

O importante neste modelo é realizar acordos claros para ter um discurso alinhado e atender com qualidade os leads gerados.

CANAIS DE VENDA NÃO PRESENCIAL – PROGRAMAS DE AFILIADOS

Afiliados são as pessoas que promovem produtos e serviços de terceiros nos seus sites, blogs e redes sociais, em troca de comissões.

Portanto, quando uma empresa opta pela venda dos seus produtos aderindo a um Programa de Afiliados, cada um desses afiliados são potenciais canais de venda.

Este modelo é o mais indicado para quem tem um produto digital e deseja vender mais, sem necessariamente entender sobre divulgação. É possível implementar com recurso a um baixo investimento.

Os Produtores podem encontrar Programas de Afiliados em plataformas digitais gratuitas.

Em geral, as plataformas, além de serem muito bem preparadas para hospedar produtos digitais, realizam toda a intermediação necessária entre Produtores e Afiliados. Disponibiliza os produtos, gera os links de divulgação e entrega as comissões de forma segura.

Os dois lados beneficiam mutuamente. As empresas podem lucrar muito, sem se preocuparem com questões de divulgação, enquanto os Afiliados realizam dinheiro ao fazerem o que gostam de fazer e para o qual estão preparados para fazer.

E-Book Criar Primeiro Website
   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *