Home / Marketing Digital /

Mas afinal o que é a Internet e como mudou a comunicação?

o que é a internet

Mas afinal o que é a Internet e como mudou a comunicação?

Numa realidade em que estamos já ligados digitalmente a qualquer parte do mundo, é fácil responder à pergunta que dá título a este artigo. Ainda assim, para lançar este debate e as várias ideias que aqui apresento, vou explicar rapidamente o que é a Internet.

A Internet é uma rede que interliga todos os computadores do mundo, através de um processo da informática que atende pelas siglas TCP/IP (Protocolo de Controle de Transferência/Protocolo Internet). Todos os computadores capazes de entender esta linguagem são capazes de trocar informações entre si. Assim, podemo-nos conectar a máquinas de diferentes tipos, como computadores Windows, Macintosh ou de qualquer outra marca ou dispositivo.

Nos dias de hoje, a Internet está totalmente enraizada nas nossas vidas. Ainda que problemas como infoexclusão persistam na sociedade, muitas pessoas usam a Internet para lazer, para ver vídeos e jogar jogos em sites de entretenimento e também para usar em sites como o Facebook. Por outro lado, a Internet assume também um importante peso profissional, servindo para trabalhar, pesquisar e conhecer todas as notícias do mundo assim como fazer transferência de ficheiros como músicas e documentos.

Ao longo dos próximos parágrafos deixo-lhe ficar algumas curiosidades sobre a Internet que, acima de tudo, nos deixam a pensar no impacto que esta tecnologia teve no mundo da comunicação.

Mas afinal o que é a Internet e como mudou a comunicação?

1 – O jornalismo e a Internet

A Internet é diferente de todos os outros meios de comunicação, uma vez que produz diferentes segmentos de público, diferentes termos de troca e diferentes competências culturais. De uma forma que nem sequer temos a noção, o impacto da Internet foi tal que os meios de comunicação tradicionais ainda hoje se estão a adaptar ao digital para sobreviver num novo mundo. No que diz respeito ao jornalismo, e ao facto da Internet tornar tudo muito mais imediato, os media têm feito o seu melhor com base na tecnologia disponível.

2 – A sociedade na Internet

As plataformas com base na Web, como as redes sociais, Wikipedia ou o Youtube tornaram-se parte da vida diária para a maioria das pessoas no mundo ocidental. Hoje, tais plataformas já podem ser acedidas até mesmo a partir do nosso telefone ou televisão… e o futuro diz mesmo que um dia até os frigoríficos poderão ter ligações à Internet. Se as empresas de comunicação social querem continuar a existir, é necessário que entendam tal realidade e façam de tudo para responder com os conteúdos apropriados.

3 –  Viver sem Internet

A Internet é totalmente aberta e constitui, por isso, à lei básica das Tecnologias da Informação: uma sociedade que comunica de forma digital e, consequentemente, através do jornalismo. Bloquear o acesso à Internet ameaça a livre circulação de informação e corrompe o nosso direito fundamental a um nível autodeterminado de informação. Já se imaginou hoje a viver provado de informação? O quão diferente seria a nossa sociedade perante tal realidade?

4 – Vitória da informação

O cidadão tem hoje um papel preponderante, e quase tão importante, como antes tinham os órgãos de comunicação social, instituições públicas e outras organizações. Tudo o que precisa hoje é de uma ligação à Internet, de um computador ou até mesmo de um smartphone para dar conta ao mundo de algo que se está a passar. Qualquer cidadão pode definir o seu próprio filtro noticioso, enquanto os motores de pesquisa mergulham em tesouros de informação de uma magnitude nunca antes conhecida. Os indivíduos podem agora informar-se melhor do que nunca.

5 – A Internet melhora o jornalismo

Em resposta a isto mesmo, o jornalismo pode cumprir o seu papel socioeducativo com mais eficiência, apresentando a informação como algo em constante mudança, num processo contínuo. O preço da inalterabilidade da media impressa é um benefício. Aqueles que querem sobreviver neste novo mundo da informação precisam de um novo idealismo, novas ideias jornalísticas e de um sentido de prazer na exploração deste novo potencial.

6 –  Gestão de links

Se pensarmos bem, a Internet e o seu valor traduzem-se em algo muito simples: links. Tudo o que acontece na Internet está baseado em ligações. Aqueles que não utilizam tais ligações excluem-se do discurso social. Isto também é válido para os sites das empresas de comunicação social tradicionais. Por essa mesma razão, torna-se essencial fazermos, enquanto indivíduos, uma gestão dos links que usamos.

7 – Recompensa dos links

Os motores de pesquisa e os sites agregadores facilitam o jornalismo de qualidade: impulsionam a descoberta de conteúdos notáveis a longo prazo e são também parte integrante da nova e interligada esfera pública. As referências através de links e citações – incluindo especialmente os que são feitos sem qualquer autorização ou mesmo remuneração da autoria – possibilitam, em primeiro lugar, a própria cultura do discurso social em rede. São merecedores, por todos os meios, de proteção.

8 – A Internet é um novo palco para o discurso político.

O papel político da Internet, e a forma como permite o debate entre o eleitorado, foi algo que vimos especialmente nas últimas eleições norte-americanas. A democracia prospera com a participação e a liberdade de informação. Transferir a discussão política dos meios tradicionais para a Internet, para plataformas como o Twitter, o Facebook e até mesmo blogs, significa alargar este debate, pelo envolvimento da participação ativa do público.

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *